Rio Grande - PI, 17 de Dezembro de 2017.
Home Notícias Eventos Vídeos Recados Contato

 Oferecimento:
 
  Menu
  Entretenimento
  Conteúdos
  Entrevistas
  Nossa Equipe
  Parceiros:
  Anunciantes:


criar banner


criar banner

Postado em: 13/05/2017 às 11h27
Da maior ocupação da América Latina à universidade
Da maior ocupação da América Latina à universidade

 Em vez dos móveis convencionais, a sala da casa onde Pedro Cerqueira, 20 anos, mora desde o último Natal com os avós abriga um freezer e uma mesa tomada por guloseimas. A pequena mercearia foi improvisada por um motivo inédito na família: juntar dinheiro para o começo da vida universitária do jovem.

Aprovado em quatro universidades públicas, ele escolheu o curso de Ciências e Humanidades da Universidade Federal do ABC, a 110 km de onde reside com a família em São José dos Campos, no interior paulista.

"A gente nem acredita que ele, filho de uma analfabeta e de um caminhoneiro, conseguiu tudo isso", conta Maria Nunes da Silva, 60 anos, a avó que criou Pedro e a quem ele chama de mãe.

Quando não está no trabalho de faxineira, Maria faz pães para vender na mercearia. Seus clientes são moradores do bairro recém-inaugurado na cidade, o Novo Pinheirinho dos Palmares. As 1.461 casas de 46 m2 construídas numa área remota abrigam parte das famílias retiradas da maior ocupação urbana da América Latina, que ficou conhecida como Pinheirinho.

Foi lá que Pedro chegou aos oito anos e viveu até ser expulso em 2012, aos 16. Ele ainda se emociona quando fala daquela madrugada, quando acordou com helicópteros e bombas de gás lacrimogêneo durante a desocupação, comandada por 2 mil policias militares.

"Foi horrível. Com o tempo, a gente quer esquecer e vai deixando pra lá", diz sobre as lembranças do Pinheirinho que tentou guardar na memória e numa câmera digital, que nunca mais mexeu.

O caso, que foi chamado de "Massacre do Pinheirinho" por diversas organizações de defesa dos direitos humanos, teve repercussão na imprensa internacional. A Anistia Internacional denunciou a operação por diversas violações, como expulsão forçada, uso da violência e prisões indevidas.

Fome e dinheiro no semáforo

Naquele ano da desocupação, morando em alojamentos e mudando de endereço praticamente a cada mês, Pedro fez de tudo para não abandonar o ensino médio. A preocupação da avó era mantê-lo ocupado. "A gente via muita coisa errada na rua, onde a gente morou. Eu queria que ele fosse um menino bom, que ficasse longe disso", explica Maria.

Foi assim que ela conseguiu uma vaga num curso técnico gratuito para Pedro. A dedicação do aluno rendeu um contrato de trabalho: por dois anos, ele atuou na Embraer, fabricante de aviões, como parte de um programa para incentivar estudantes.

Ao fim dessa jornada, Pedro ouviu falar, pela primeira vez, sobre universidade pública e seguiu a orientação de buscar um cursinho gratuito. Foi aceito no CASD, mantido por alunos do ITA (Instituto Tecnológico Aeroespacial). Ainda assim, era difícil crer que chegaria mais longe: "Eu acreditava que pobre nunca poderia frequentar uma universidade", diz Pedro.



 
LINK - ESPALHE POR AÍ!
 
.:: Mais Notícias sobre + Mais Cidadania
07/12/2017 A ASSOCIAÇÃO DE AMIGOS DO RIO GRANDE DO PIAUI (+CIDADANIA) NO NATAL SOLIDÁRIO
23/11/2017 O SINTE-PI É PARCEIRO E APOIA O DÉCIMO PRIMEIRO DIDÁCIO ARTE
23/11/2017 SINTE-PI MARCA PRESENÇA NO CURTA LICEU DIREITOS HUMANOS 2017
   Agenda

nenhum registro encontrado!


   Anunciantes:


criar banner


criar banner


   Clima/Tempo:



    (89) 9411-8888 / (86) 9917-0091 / 86) 9411-7912
riograndenews@hotmail.com

© Copyright 2013/2017, Uma Realização da AARGPI +Mais Cidadania - - Todos os direitos reservados.